O Programa > Docentes > Projetos de Ana Chrystina Venancio Mignot               < Lattes >

TÍTULO DA PESQUISA

A ILUSÃO DO LEITOR: reformas do ensino nas cartas de professores publicadas na imprensa do Distrito Federal (1930 -1935)

PERÍODO:

2014 - 2018

LINHA DE PESQUISA

Instituições, Práticas Educativas e História

GRUPO(S) DE PESQUISA

Instituições, Práticas Educativas e História

FINANCIAMENTO(S)

bolsa de produtividade do CNPq, Cientista de Nosso Estado da FAPERJ e Prociencia

O estudo em pauta aborda as reformas do ensino no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em uma perspectiva diferente da maior parte dos estudos sobre Fernando de Azevedo e Anísio Teixeira que iluminam as suas realizações priorizando os textos publicados por eles e por educadores de sua geração. Privilegia uma perspectiva ainda pouco explorada: a dos professores que atuavam no cotidiano das escolas e das salas de aula. Neste sentido, elejo as cartas publicadas na imprensa carioca que veiculam as opiniões dos integrantes do quadro do magistério acerca das mudanças propostas pelos dois educadores, entendendo que, assim, se pode capturar melhor as adesões e resistências às reformas que lideraram, o que está a merecer um maior aprofundamento. Ao eleger periódicos que circularam na década de 1930, será possível trazer novos elementos sobre a educação, ou melhor, sobre os destinos da educação traçados no interior das redações. O interesse deste estudo, no entanto, recai, mais do que no interior das redações, no modo como ele alimentou o debate para além das mesmas, por meio das cartas dos leitores, e, também, no modo como as redações foram por elas alimentadas. Por isto, foram selecionados dois periódicos: o Diário de Notícias e o Jornal do Brasil. A escolha destes dois periódicos se deve ao fato de serem estes jornais aqueles que tiveram, no período em foco, duas colunas sobre educação assinadas por dois dos signatários do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: Cecília Meireles e Frota Pessoa que, na atividade jornalística, dialogaram com os leitores sobre as questões que afligiam os educadores de seu tempo. Acredito que a intensa presença do tema da educação, em seções especializadas destes jornais, dirigidas por educadores renomados, fomentou a participação de professores nas respectivas seções de “Cartas dos Leitores”, nas quais opinaram sobre a legislação do ensino, a arquitetura escolar, os métodos de ensino, o recrutamento de professores e a carreira do magistério, por exemplo.