O Programa > Docentes > Projetos de Fernando Altair Pocahy               < Lattes >

TÍTULO DA PESQUISA

Corpo, Gênero e Sexualidade: Problematizações Interseccionais em Educação e(m) Saúde

PERÍODO:

2015 -

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

Faperj; CNPq

As investigações que compõem esse projeto (projeto “guarda-chuva” do GENI – Grupo de Estudos em Gênero, Sexualidade e(m) Interseccionalidades na Educação e(m) Saúde) buscam compreender como determinadas redes discursivas são agenciadas e articuladas na produção de subjetividades e(m) cotidianos. No rastro de problematizações acerca da produção de regimes de verdade, movimentamo-nos em análises interseccionais sobre corpo, gênero, sexualidade, gerações, raça/etnia e classe, entre outros marcadores sociais de identidade e diferença. As pesquisas(-intervenções) que integram o projeto discutem os efeitos (hetero)normativos da constituição dos modos de vida na (trans)contemporaneidade, tomando como lócus privilegiado de investigação as práticas-saberes em educação e(m) saúde, notadamente a produção de saúde e a formação de profissionais da saúde. As pesquisas(-intervenções) associadas ao projeto eixo assumem como pressupostos e abordagens teórico-metodológicas as análises pós-estruturalistas informadas pelos Estudos Feministas, Queer e Pós-coloniais. Essas investigações articulam-se a partir de quatro linhas : 1. Gênero, diversidade sexual e geração/idade, com o objetivo analisar formas de regulação do gênero e da sexualidade em sua articulação com a produção discursiva em torno do dispositivo da idade e da performatividade geracional (com ênfase atualmente para o envelhecimento); 2. Pedagogias de gênero e da sexualidade, problematiza como as pedagogias de gênero e da sexualidade exercidas e veiculadas por múltiplas instâncias da cultura se articulam à produção das CIS-hetero/ homonormatividades e quais seriam seus efeitos na constituição de processos de subjetivação.; 3) Políticas queer e [trans]contemporaneidade: as pesquisas nesta linha analisam processos de subjetivação a partir de produções ético-estético-(micro)políticas na (re)invenção dos modos de vida na/da [trans]contemporaneidade, com ênfase para os movimentos de dissidência e contestação às CIS-hetero/homonormatividades; 4) Gênero e Sexualidade nas Políticas Públicas. O objetivo dessa linha é investigar a produção de políticas articuladas a gênero e sexualidade, a partir de seus efeitos nos modos de subjetivação e no acesso e garantia de direitos sociais e políticos das minorias. Instituições envolvidas: Universidade do Estado do Pará, Universidade do Mato Grosso do Sul, Universidade Federal do Ceará, Universidade Federal do Rio Grande do Sul e University of Surrey.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Sexualidade e envelhecimento: problematizando pedagogias culturais, vulnerabilidade social e hiv/aids na cidade do Rio de Janeiro

PERÍODO:

2015 - 2017

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro Programa Jovem Cientista do Nosso Estado

A pesquisa tem como objetivo analisar formas de regulação de gênero e sexualidade em articulação com a produção discursiva do envelhecimento. Buscamos compreender como se produzem experimentações da sexualidade, tomando como problema principal de estudo os modos idosos e idosas se movimentam diante das interpelações dos discursos (hetero/homo)normativos e quais são as representações sobre corpo, gênero e saúde (particularmente na relação com o hiv/aids) que cercam e regulam suas práticas culturais, seus seus cotidianos. Nosso interesse persegue a produção de indicadores de vulnerabilidade social engendrados na heteronormatividade e homofobia. Assim, projetamos como resultados amplos o adensamento analítico sobre as interseccionalidades de marcadores sociais e culturais, a partir da compreensão da produção de pedagogias culturais que se articulam nos modos de vida interpelados pelos discursos e práticas sociais que agem e informam a experiência política e cultural da velhice. Os princípios que definem e orientam as estratégias de análise desta pesquisa privilegiaram a perspectiva genealógica de Michel Foucault como ferramenta conceitual importante para o trabalho de problematização das condições de possibilidade e de emergência dos discursos que se opõem e/ou associam nos jogos de verdade que dão contornos à relação dos sujeitos consigo mesmos no processo de sua (auto)constituição.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Gênero, sexualidade e envelhecimento: um estudo multimétodos sobre políticas públicas em Educação, Saúde e Direitos Humanos

PERÍODO:

2015 - 2017

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

CNPq - Apoio a Projetos de Pesquisa / Chamada CNPq/ MCTI Nº 25/2015 Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas

Este Projeto de Pesquisa tem como objetivo analisar formas de regulação do gênero e da sexualidade em sua articulação com a produção discursiva do envelhecimento, como forma de compreensão dos processos de vulnerabilidade social da população autodeclarada LGBT e outras minorias sexuais e de gênero. Buscamos com esta pesquisa analisar os discursos que se encontram em negociação nas experimentações da cidadania de pessoas em idade igual ou superior a 60 anos. Neste estudo tomamos como problema principal os modos como as politicas e discursos movimentam as práticas sociais e culturais e quais posições de sujeito emergem na intersecção entre geração, gênero e sexualidade. Os resultados desta proposta objetivam oferecer indicadores sobre os processos de vulnerabilidade social, bem como as possíveis formas de enfrentamento ao hetero/sexismo, particularmente na direção dos seus efeitos na produção de agravos em saúde e processos sociais precarizados a partir da violência heteronormativa, LGBTfóbica e etarista. Como resultado amplo, entendemos que este estudo permite maior adensamento sobre as interseccionalidades na regulação das relações de gênero e exercício da sexualidade, entendendo a educação enquanto prática de significação movimentada/ acionada a partir de redes educativas, cotidianos e processos culturais, como plano privilegiado para a promoção da igualdade de gênero e da democracia sexual. O estudo abrange ao menos uma capital em cada uma das cinco regiões que congregam os 27 estados da federação. Para maior aporte no acesso e acompanhamento das demandas de cidadania das pessoas autodeclaradas LGBT e outras minorias sexuais e de gênero, estamos movimentando nossos esforços para articulações junto a associações de representação LGBT nos devidos estados e núcleos de pesquisa sediados nas cidades chave para a pesquisa

    

TÍTULO DA PESQUISA

Sexualidade e adolescência na contemporaneidade

PERÍODO:

2014 - 2016

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Edital Nº 16/2014 - Programa Apoio a Projetos de Extensão e Pesquisa – EXTPESQ – 2014

O projeto de pesquisa e extensão pretende conhecer as práticas sexuais e afetivas de adolescentes que moram no Rio de Janeiro. Para além de trabalhar com temas de relevância no campo da saúde, como prevenção à gravidez e DST/AIDS, pretendemos explorar as configurações contemporâneas da sexualidade na adolescência, tais como decisão pela iniciação sexual, experimentações sexuais, prazer, negociações, preocupações ou não com a definição e consolidação de identidades sexuais. Igualmente, atravessaremos essas experiências com o uso de drogas, as religiões e as redes sociais, que exercem na atualidade importantíssimo papel nas relações sociais. A pesquisa será realizada com adolescentes de camadas médias através das redes de contato dos pesquisadores, bem como com adolescentes em situação de abrigo e cumprindo medida sócio-educativa. Como extensão pretendemos desenvolver encontros e oficinas de capacitação e sensibilização no abrigo e no Degase, com adolescentes, educadores, agentes e equipe técnica. Este projeto é coordenado pela Profa. Anna Uziel - PPG em Psicologia Social e Institucional - UERJ.