O Programa > Docentes > Projetos de Fernando Altair Pocahy               < Lattes >

TÍTULO DA PESQUISA

Gênero e sexualidade em interseccionalidades nos cotidianos da educação e/m saúde: carto-genealogias da diferença

PERÍODO:

2018 -

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

Scientific, Technical and Artistic Production Incentive Program – PROCIÊNCIA / UERJ-FAPERJ; CNPq

A pesquisa em tela problematiza o jogo agonístico da produção da identidade e da diferença em torno de gênero, raça, sexualidade e geração, desde um contexto de fratura democrática e intensa disputa em torno do corpo como materialidade/arena de governamento na trama do(s) biopoder(es). Busca-se com isso compreender como se estabelecem tanto intersecções de marcadores de diferença quanto aqueles modos-práticas decorrentes dessas a engendrar vulnerabilidades - social, programática e individual - e precarização da vida, bem como modos de resistência (produção de saúde). O projeto assume pressupostos pós-críticos em educação associado ao campo de estudos (trans)feministas queer e interseccionais para instalar suas problematizações em um modo de pesquisar-intervir. As ferramentas conceituais reunidas para seguir neste caminho investigativo são inspiradas no trabalho genealógico de Michel Foucault (1995) em seus lances para uma ontologia do presente, implicitamente movimentado nos termos de uma cartografia dos espaços-tempos e fluxos/práticas discursivos e não discursivos - como possibilidade de traçar as linhas que constituem o regime de materialidade de um enunciado, redefinindo as suas possibilidades de (re)inscrição e legitimidade nos jogos de poder – saber (FOUCAULT, [1977] 2001; [1982, 1984] 2001; 1995). O desenho da pesquisa prevê a formulação de entradas de problematização em um esquema multimétodos e plurifases (como esquema pragmático e programático) tomando o dentro-fora da escola como lócus privilegiado para as análises-in(ter)venções. Ao assumir as (micro)políticas cotidianas educativas como práticas de subjetivação o estudo define como seu escopo as formas de governamentalidade que emergem nas tramas complexas desde alguns espaços-tempos formativos públicos e/ou associativos na cidade do Rio de Janeiro.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Sexualidade e envelhecimento: problematizando pedagogias culturais, vulnerabilidade social e hiv/aids na cidade do Rio de Janeiro

PERÍODO:

2015 - 2017

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro Programa Jovem Cientista do Nosso Estado

A pesquisa tem como objetivo analisar formas de regulação de gênero e sexualidade em articulação com a produção discursiva do envelhecimento. Buscamos compreender como se produzem experimentações da sexualidade, tomando como problema principal de estudo os modos idosos e idosas se movimentam diante das interpelações dos discursos (hetero/homo)normativos e quais são as representações sobre corpo, gênero e saúde (particularmente na relação com o hiv/aids) que cercam e regulam suas práticas culturais, seus seus cotidianos. Nosso interesse persegue a produção de indicadores de vulnerabilidade social engendrados na heteronormatividade e homofobia. Assim, projetamos como resultados amplos o adensamento analítico sobre as interseccionalidades de marcadores sociais e culturais, a partir da compreensão da produção de pedagogias culturais que se articulam nos modos de vida interpelados pelos discursos e práticas sociais que agem e informam a experiência política e cultural da velhice. Os princípios que definem e orientam as estratégias de análise desta pesquisa privilegiaram a perspectiva genealógica de Michel Foucault como ferramenta conceitual importante para o trabalho de problematização das condições de possibilidade e de emergência dos discursos que se opõem e/ou associam nos jogos de verdade que dão contornos à relação dos sujeitos consigo mesmos no processo de sua (auto)constituição.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Gênero, sexualidade e envelhecimento: um estudo multimétodos sobre políticas públicas em Educação, Saúde e Direitos Humanos

PERÍODO:

2015 - 2017

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

CNPq - Apoio a Projetos de Pesquisa / Chamada CNPq/ MCTI Nº 25/2015 Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas

Este Projeto de Pesquisa tem como objetivo analisar formas de regulação do gênero e da sexualidade em sua articulação com a produção discursiva do envelhecimento, como forma de compreensão dos processos de vulnerabilidade social da população autodeclarada LGBT e outras minorias sexuais e de gênero. Buscamos com esta pesquisa analisar os discursos que se encontram em negociação nas experimentações da cidadania de pessoas em idade igual ou superior a 60 anos. Neste estudo tomamos como problema principal os modos como as politicas e discursos movimentam as práticas sociais e culturais e quais posições de sujeito emergem na intersecção entre geração, gênero e sexualidade. Os resultados desta proposta objetivam oferecer indicadores sobre os processos de vulnerabilidade social, bem como as possíveis formas de enfrentamento ao hetero/sexismo, particularmente na direção dos seus efeitos na produção de agravos em saúde e processos sociais precarizados a partir da violência heteronormativa, LGBTfóbica e etarista. Como resultado amplo, entendemos que este estudo permite maior adensamento sobre as interseccionalidades na regulação das relações de gênero e exercício da sexualidade, entendendo a educação enquanto prática de significação movimentada/ acionada a partir de redes educativas, cotidianos e processos culturais, como plano privilegiado para a promoção da igualdade de gênero e da democracia sexual. O estudo abrange ao menos uma capital em cada uma das cinco regiões que congregam os 27 estados da federação. Para maior aporte no acesso e acompanhamento das demandas de cidadania das pessoas autodeclaradas LGBT e outras minorias sexuais e de gênero, estamos movimentando nossos esforços para articulações junto a associações de representação LGBT nos devidos estados e núcleos de pesquisa sediados nas cidades chave para a pesquisa

    

TÍTULO DA PESQUISA

Sexualidade e adolescência na contemporaneidade

PERÍODO:

2014 - 2016

LINHA DE PESQUISA

Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais

GRUPO(S) DE PESQUISA

Geni - Gênero e Sexualidade em Interseccionalidades na Educação e na Saúde

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ Nº 16/2014 - Support Program for Extension and Research Projects - EXTPESQ - 2014

O projeto de pesquisa e extensão pretende conhecer as práticas sexuais e afetivas de adolescentes que moram no Rio de Janeiro. Para além de trabalhar com temas de relevância no campo da saúde, como prevenção à gravidez e DST/AIDS, pretendemos explorar as configurações contemporâneas da sexualidade na adolescência, tais como decisão pela iniciação sexual, experimentações sexuais, prazer, negociações, preocupações ou não com a definição e consolidação de identidades sexuais. Igualmente, atravessaremos essas experiências com o uso de drogas, as religiões e as redes sociais, que exercem na atualidade importantíssimo papel nas relações sociais. A pesquisa será realizada com adolescentes de camadas médias através das redes de contato dos pesquisadores, bem como com adolescentes em situação de abrigo e cumprindo medida sócio-educativa. Como extensão pretendemos desenvolver encontros e oficinas de capacitação e sensibilização no abrigo e no Degase, com adolescentes, educadores, agentes e equipe técnica. Este projeto é coordenado pela Profa. Anna Uziel - PPG em Psicologia Social e Institucional - UERJ.