O Programa > Docentes > Projetos de Miriam Soares Leite               < Lattes >

TÍTULO DA PESQUISA

ABORDAGEM INTERSECCIONAL DA DIFERENÇA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA JUVENTUDE: QUESTÕES TEÓRICO-POLÍTICO-PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO DO ATIVISMO ESTUDANTIL CONTEMPORÂNEO

PERÍODO:

2017 - 2020

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude

FINANCIAMENTO(S)

Passados quatro anos desde as chamadas “jornadas de junho”, nossas ruas permanecem em ebulição, com movimentação nem sempre protagonizada por jovens, mas, sem dúvida, contando ainda com a sua presença. Entretanto, tais manifestações surpreendem agora menos pela participação juvenil do que pelo conteúdo de parcela significativa das bandeiras defendidas em tais mobilizações. Pela primeira vez, desde o fim da última ditadura que tivemos no país, forças políticas altamente conservadoras se assumem como tal e ocupam os espaços públicos reivindicando e enaltecendo o que até pouco tempo seria para muitos de nós impensável: a volta da ditadura, a intervenção militar, o anticomunismo, a bi/homo/lesbo/transfobia. Como se coloca a educação escolar nesse quadro sociopolítico? Como tem - ou não - formado para a participação nesse contexto? O formato “grêmio”, para a organização política dos estudantes do ensino fundamental e do ensino médio, ainda faz sentido para a juventude contemporânea? A escola tem favorecido a constituição deste e de outros formatos de organização e atuação política dos seus jovens estudantes? Como se colocam as questões da diferença nesse contexto? Neste projeto, propomos buscar respostas a tais questionamentos, em continuidade às últimas pesquisas que temos realizado no Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude/DDEEJ. Para tanto, a pesquisa conta com três eixos principais de desenvolvimento: 1) pesquisa colaborativa, em parceria com estudantes e professores de colégio público do Rio de Janeiro com tradição de ativismo discente, visando mapear e problematizar a formação e participação política dos estudantes na instituição; 2) levantamento e discussão da produção acadêmica recente (2007 a 2017) acerca de temas e de noções teóricas pertinentes à pesquisa: ativismo político estudantil; gênero e sexualidade na educação escolar da juventude; interseccionalidade; 3) aprofundamento teórico das temáticas que temos focalizado em nossas pesquisas e que seguiremos estudando neste projeto, nomeadamente: juventude e educação escolar, ativismo político juvenil e estudantil, perspectiva teórico-política da diferença (que temos buscado construir em diálogo com teorizações de Jacques Derrida e Judith Butler, entre outros) e problemáticas da diferença na escola, com destaque para questões relativas a gênero e orientação sexual, bem como para a abordagem interseccional dessas questões, que têm mobilizado movimentos estudantis no estado do Rio de Janeiro, e se colocado bastante presentes em nossos estudos sobre a diferença e a desigualdade na escola. Destaque-se, neste último eixo, pesquisa bibliográfica e estudos sobre a juventude em perspectivas críticas, visando a proposição de bases gerais para a realização do diálogo entre tais produções e nossas pesquisas, usualmente mais próximas de teorizações pós-críticas. Compõe ainda este projeto a proposta de uma pesquisa de caráter exploratório sobre a organização e atuação de observatórios da juventude, visando empreendimento semelhante na UERJ, a ser vinculado à Subreitoria de Extensão e Cultura/SR3. Inclui-se, nesse estudo, o diálogo com o Observatório da Juventude da Universidade Federal de Minas Gerais, dado que se trata de experiência nacional consolidada já desde 2002 e promovida pela Faculdade de Educação da instituição, bem como com o Observatório Permanente da Juventude da Universidade de Lisboa, que interessa pela frequente focalização de questões da diferença e do multiculturalismo, além da oportunidade de internacionalização da proposta.

    

TÍTULO DA PESQUISA

ENUNCIAÇÕES SOBRE GÊNERO E JUVENTUDE NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO E TRATAMENTO DIGITAL DO TEXTO ESCRITO: REVISÃO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA (2007-2015) E DISCUSSÕES SOBRE MÉTODO E POLÍTICA EM ESTUDOS BIBLIOGRÁFICOS

PERÍODO:

2016 - 2018

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - APQ1 2015/02

A realização de levantamentos de publicações em torno de temas de pesquisa constitui prática recorrente nas investigações acadêmicas, não apenas em estudos especificamente bibliográficos ou documentais. Neste projeto, que faz parte da pesquisa "Diferença e desigualdade na educação escolar do jovem mais jovem: desconstruções", propomos mapear e problematizar a produção acadêmica recente da área da Educação acerca das questões do gênero e da juventude, focalizações temáticas que têm sido privilegiadas nos estudos da proponente e dos participantes do grupo de pesquisa que lidera - DDEEJ/Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude. Tais estudos serão desenvolvidos a partir de um corpus que reunirá artigos publicados em periódicos qualificados como A1, A2 e B1, da área de Educação, no sistema Qualis/Capes, de 2006 a 2015, para tratamento digital do seu conteúdo. Assim como nas últimas pesquisas desenvolvidas pelo Grupo, seguiremos trabalhando em diálogo com as teorizações da diferença e da desconstrução propostas pelo filósofo Jacques Derrida, sobretudo em suas apropriações pelas teóricas feministas Judith Butler e Joan Scott. O material compilado será disponibilizado publicamente no sítio do DDEEJ (www.ddeej.com). Destaque-se que não apenas o estudo da produção acadêmica sobre juventude e gênero, como também a abordagem digital do corpus e a sua disponibilização pública e gratuita constituem temática de reflexão e pesquisa no contexto deste projeto, para além das facilitações operacionais que oportunizam.

    

TÍTULO DA PESQUISA

O GRÊMIO E OUTROS ESPAÇOS-TEMPOS DE DIÁLOGO POLÍTICO NA ESCOLA: POSSIBILIDADES CONTEMPORÂNEAS

PERÍODO:

2015 - 2016

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Edital 36/2014 - Melhoria das Escolas Públicas

Neste projeto, que faz parte da pesquisa "Diferença e desigualdade na educação escolar dos jovens mais jovens: desconstruções", propomos desenvolver pesquisa-ação, com professores e estudantes do Colégio Estadual Antônio Prado Júnior, em que acompanharemos e apoiaremos a organização de um grêmio ou outro espaço-tempo de diálogo político. Ao longo de um ano, promoveremos atividades diversas com tal propósito – como grupos de discussão, palestras, pesquisas de opinião da comunidade escolar, documentário da experiência, construção de espaço virtual de compartilhamento e diálogo sobre o projeto – registrando e problematizando seu desenvolvimento. Além de recursos da FAPERJ para compra de equipamentos diversos que viabilizarão a estruturação de um grêmio e/ou de outro espaço-tempo de organização estudantil, contamos com duas bolsas de capacitação técnica (TCT) e duas bolsas de pré-iniciação científica (Jovens Talentos), para professores e alunos que participem do projeto e que se interessem pela pesquisa acadêmica, assim como uma bolsa de iniciação científica para alunos da graduação da UERJ. Com realização no âmbito das atividades do Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UERJ e coordenado pela proponente deste projeto, contará com a perspectiva teórica e política da diferença, que temos buscado recontextualizar para a pesquisa em Educação, a partir da leitura de autores como Jacques Derrida, Judith Butler e Joan Scott.

    

TÍTULO DA PESQUISA

DIFERENÇA E DESIGUALDADE NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DO JOVEM ADOLESCENTE: DESCONSTRUÇÕES

PERÍODO:

2014 - 2018

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude - DDEEJ

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ

DIFERENÇA E DESIGUALDADE NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DO JOVEM ADOLESCENTE: DESCONSTRUÇÕES

Neste projeto, focalizamos questões da diferença e da desigualdade que se fazem presentes na educação escolar do jovem adolescente, com destaque para o ensino médio regular, em continuidade aos estudos anteriormente desenvolvidos pela coordenadora da pesquisa, que abordaram essa mesma temática nos anos finais do ensino fundamental. Tenciona-se problematizar identificações atribuídas ao estudante jovem adolescente e à sua educação escolar, por parte de alunos e professores inseridos no ensino médio, em diálogo com os pesquisadores participantes da pesquisa. Para tanto, planejamos a realização de uma pesquisa-ação em colégio da rede pública estadual de ensino, e um estudo teórico-bibliográfico, que buscará mapear e problematizar a produção acadêmica recente acerca das questões da juventude. Dadas as amplas mobilizações juvenis que, desde 2013, têm ocupado ruas e escolas, em ativismo político tão plural quanto vigoroso, a formação e a participação política dos jovens mais jovens no âmbito da sua educação escolar constitui foco privilegiado no desenvolvimento desta proposta. Os projetos dos estudantes de pós-graduação e de graduação vinculados a esta pesquisa acompanham tal focalização, mas também se ocupam de outras manifestações da diferença e da desigualdade na educação escolar da juventude, com destaque para as questões de gênero e de orientação sexual. A concepção e o desenvolvimento das atividades da pesquisa serão informados pelo aprofundamento dos estudos já em andamento sobre a desconstrução, na proposta do filósofo Jacques Derrida, bem como na sua apropriação pelas teóricas feministas Joan Scott e Judith Butler. Destacam-se, em suas teorizações, argumentos que podem ser mobilizados para a desnaturalização e a contestação do etarismo historicamente consolidado, inclusive nas relações escolares, que opõe e hierarquiza jovens e adultos. Interessa também seu entendimento das identidades e significados como construções sociais performativas, isto é, como identificações e significações que se realizam – no sentido de serem entendidas como objetivamente reais – por meio de repetições/deslocamentos cotidianamente encenadas em múltiplos espaços-tempos, entre os quais, a nosso ver, figura com destaque a instituição escolar. O interesse por autores usualmente identificados com o pós-estruturalismo não implica, no entanto, desconsiderar as investigações e reflexões desenvolvidas em perspectivas críticas, sobretudo, estudos contemporâneos sobre a juventude e pesquisas sobre a educação escolar dos campos do Currículo, da Didática e da Sociologia, que serão lidos e recontextualizados a partir dos princípios político-epistemológicos da desconstrução. As discussões teórico-metodológicas terão relevo no projeto, na medida em que também se pretende contribuir para uma apropriação não relativista ou niilista das teorizações do pós-estruturalismo, que, apesar de tais riscos, julgamos potentes para responder, na pesquisa em Educação, a demandas teórico-políticas do nosso tempo que interpelam a escola, como, por exemplo, as reivindicações dos movimentos sociais pelo direito à diferença, ou questões epistemológicas que se colocam para a produção acadêmica a partir das viradas linguística e cultural do século XX.